O que estão falando sobre Testes de Software em Nova York?

Entre os dias 11 e 13 de Agosto aconteceu em Nova York a nona edição do CAST 2014(Conference of the Association of Software Testing). A conferência voltada inteiramente para a área de Testes de Software contou com a participação de diversos palestrantes discutindo e compartilhando informações e experiências referentes aos mais diversos tipos de problemas e práticas aplicadas na indústria.

Os vídeos das palestras já estão disponíveis no canal da associação no youtube. Na lista de palestras várias me parecem bem interessantes, particularmente, optei por começar pelo Keynote realizado pelo James Bach, autor de diversos livros na área, com tema Test Cases are Not Testing: Toward a Performance Culture. Apesar de não ser um tema novo, debater sobre como devemos usar os casos de teste ou mesmo se devemos usá-los, ainda é algo que rende muitas discussões. No vídeo, James faz diversas comparações bem interessantes e que reforçam o erro que é tratar testes de software como uma simples aplicação de passos de um caso de teste.

“We’ve got to stop thinking of testing as a thing and start thinking about testing as a performance, like an actor in a play, in order to get management to appreciate what we do.”

Divirtam-se!

Anúncios

Onde encontrar material sobre testes de software?

No primeiro post de 2014, compartilho com vocês uma lista com alguns dos blogs/sites, perfis do twitter e canais do You Tube, que acompanho (ou tento acompanhar) para me manter atualizado sobre testes de software.

Blogs/Sites:

Software Testing Club      Ministry of testing      Jmeter.com.br

Outros:

  

     

Sentiu falta de algum? Pode adicionar nos comentários =D

Vídeos – Google Test Automation Conference 2013

Nos dias 23 e 24 de Abril aconteceu mais uma edição do GTAC – Google Test Automation Conference. Dessa vez também acessível via streaming. Os vídeos das 16 horas de palestras também já estão disponíveis no YouTube, os quais compartilho com vocês no decorrer do post. Ainda não tive tempo de assistir a todas as palestras, mas tenho certeza que o nível do conteúdo é excelente, pois já assisti a vários vídeos dos anos anteriores.

As palestras estão divididas em dois vídeos, referentes a cada um dos dias do evento, porém a partir da agenda você pode saltar para a palestra que mais lhe interessar. Já assisti as 4 primeiras palestras do dia 1 e gostei bastante das duas primeiras.

Segue a lista das palestras e os vídeos.

Dia 1:

Duração Palestrante Empresa Tema
00:15:00 Tony Voellm Google Opening
00:45:00 Ari Shamash Google Evolution from Quality Assurance to Test Engineering
00:45:00 James Waldrop Twitter Testing Systems at Scale @Twitter
00:30:00 Break
00:45:00 David Burns and Malini Das Mozilla How Do You Test a Mobile OS?
01:00:00 Lunch
00:45:00 Igor Dorovskikh and Kaustubh Gawande Expedia Mobile Automation in Continuous Delivery Pipeline
00:15:00 David Röthlisberger YouView Automated Set-Top Box Testing with GStreamer and OpenCV
00:15:00 Ken Kania Google Webdriver for Chrome
00:15:00 Vojta Jina Google Karma – Test Runner for JavaScript
00:15:00 Patrik Höglund Google Automated Video Quality Measurements
00:15:00 Minal Mishra Netflix When Bad Things Happen to Good Applications…
00:30:00 Break
00:45:00 Tao Xie North Carolina State University Testing for Educational Gaming and Educational Gaming for Testing
00:45:00 Simon Stewart Facebook How Facebook Tests Facebook on Android
00:15:00

Dia 2:

Duração Palestrante Empresa Tema
00:15:00 Opening
00:45:00 Mark Trostler Google Testable JavaScript – Architecting Your Application for Testability
00:45:00 Thomas Knych, Stefan Ramsauer, Valera Zakharov Google Breaking the Matrix – Android Testing at Scale
00:30:00 Break
00:45:00 Guang Zhu (朱光) and Adam Momtaz Google Android UI Automation
01:00:00 Lunch
00:45:00 Jonathan Lipps Sauce Labs Appium: Automation for Mobile Apps
00:15:00 Eduardo Bravo Google Building Scalable Mobile Test Infrastructure for Google+ Mobile
00:15:00 Valera Zakharov Google Espresso: Fresh Start to Android UI Testing
00:15:00 Michael Klepikov Google Web Performance Testing with WebDriver
00:15:00 Yvette Nameth, Brendan Dhein Google Continuous Maps Data Testing
00:15:00 Celal Ziftci, Vivek Ramavajjala University of California, San Diego Finding Culprits Automatically in Failing Builds – i.e. Who Broke the Build?
00:30:00 Break
00:45:00 Katerina Goseva-Popstojanova West Virginia University Empirical Investigation of Software Product Line Quality
00:30:00 Kostya Serebryany Google AddressSanitizer, ThreadSanitizer and MemorySanitizer — Dynamic Testing Tools for C++.
00:30:00 Claudio Criscione Google Drinking the Ocean – Finding XSS at Google Scale
00:05:00

Aprenda as funções do Scrum Master em 5 minutos

O Scrum é uma das metodologias ágeis mais utilizadas pelas empresas de TI, porém diversos pontos ainda geram dúvidas: Papéis, práticas, ferramentas, etc. Nesse contexto, cada equipe acaba realizando seus ajustes baseados na própria experiência e na natureza do projeto.

O Vídeo, abaixo, faz uma representação divertida do papel do Scrum Master na equipe. São apenas 5 minutos, que de maneira divertida traduzem os principais aspectos da atuação desse profissional.

As principais funções do Scrum Master destacadas pelo vídeo são:

– Assegurar a eficiência e comprometimento de todos ao Daily Meeting.

Evitar que o cliente interfira diretamente no trabalho da equipe durante a Sprint.

– Assegurar que a definição de “Pronto” esteja clara para toda a equipe. “Qualidade é chave!”.

Gerenciar o Quadro de Atividades do Scrum.

Remover impedimentos, permitindo a produtividade máxima da equipe.

Proteger e Liderar o time.

Consulte nossa seção de agilidade, e confira outros posts relacionados a Scrum.

Agora você já pode acompanhar as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.

#TGIF – E o software continua a constranger seus criadores

Um dos assuntos mais falados nessa semana foi o lançamento do “tablet” da microsoft, o surface, principalmente devido ao travamento do produto durante a demonstração.

Não há como não rir, ao assistir o pânico do apresentador durante a demonstração. Lançar produtos (software) ao vivo têm se mostrado uma tarefa de alto risco ao longo dos anos. A mesma Microsoft, é protagonista de outro vídeo famoso no youtube, onde o windows trava durante sua apresentação.

Porém, apesar do expertise da microsoft nesse tipo de constrangimento a própria apple, também, já se viu vítima de problemas durante uma apresentação. Menos mal que o problema não foi causado pelo software e sim pela rede wi-fi, mas o momento inconveniente é constrangedor.

Quer rir mais um pouco? 

– Microsoft Speech Recognition

 

Leia, também, outros artigos já publicados na série:A série – Thank God It’s Friday ou #TGIF – aborda sempre um conteúdo menos técnico, mas que ainda assim possa contribuir com o seu crescimento pessoal e profissional.

– Facebook = Inovação até na Infraestrutura

– Quer aprender a tocar guitarra?

Agora você já pode acompanhar as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.

Os 7 princípios do teste de software

No post – Os bons testes falham – falamos sobre um dos princípios de teste definidos no livro “Fundamentos de testes de software”. Hoje, compartilho com vocês dois vídeos, bem curtos, que resumem os 7 princípios definidos no livro. Os mesmos servem como referência, principalmente para aqueles que estão iniciando na área de testes.

O primeiro vídeo, exibido acima, aborda os 4 primeiros princípios, são eles:

1 – Teste demonstra a presença de defeitos.

Os testes reduzem a probabilidade que erros desconhecidos permaneçam no sistema, mas mesmo que nenhum defeito seja encontrado isso não é prova de conformidade.

2 – Teste exaustivo é impossível.

Mesmo com auxílio da automação, o número de combinações possíveis de cenários de teste numa aplicação é gigantesco, inviabilizando a possibilidade de se afirmar que TUDO foi testado.

3 – Testes devem iniciar o quanto antes e erros encontrados tarde custam mais para corrigir.

Iniciando o mais cedo possível no ciclo de vida do desenvolvimento do software, diminuímos o custo das correções e possibilitamos que erros de design, requisitos e arquitetura sejam encontrados no momento ideal. (Link para vídeo que aborda o assunto)

4 – Agrupamento de defeitos 

80% dos defeitos são causados por 20% do código. Ao identificar essas áreas sensíveis, os testes podem prioriza-las, enquanto ainda procuram por erros nas demais regiões.

O segundo vídeo, exemplifica os princípios anteriores e apresenta os 3 últimos pontos:

5 -Paradoxo do Pesticida

Caso os mesmos testes sejam aplicados repetidamente, em determinado momento eles deixam de ser úteis, ou seja, não conseguem encontrar nenhum novo defeito. Por isso, os testes precisam ser revisitados com frequência.

6 – Teste é dependente do contexto

Diferentes tipos de aplicações exigem a aplicação de técnicas diferentes de teste.
7 – A ilusão da ausência de defeitos

De nada adianta o sistema estar correto funcionalmente, porém não atender a real  necessidade do usuário.

O Cliente

Entre todos os princípios listados, acredito que os números 3 e 7 representam os principais aspectos da nossa atividade. A busca constante por antecipar cada vez mais as possíveis falhas da aplicação e assegurar que o sistema entregue atenda as reais necessidades do cliente, agregando valor ao seu negócio.

E vocês que aspectos consideram mais importantes nos testes de software?

Agora você já pode acompanhar as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.

#TGIF – Achievement Unlocked

De acordo com a Wikipedia podemos definir “Gamification“, como o uso de técnicas e mecânicas de Game Design para resolver problemas e cativar as pessoas.

O #TGIF de hoje, inspirado no artigo do Papo de Homem, lista alguns exemplos e links interessantes sobre o assunto.

Um dos cases, que podemos citar, é o Nike+, aplicativo para dispositivos apple (iPod, iPhone), onde a definição de metas, recebimento de pontos e interação entre usuários podem ser usados como fator motivacional.

O primeiro vídeo, encontrado no Fun Theory, mostra de maneira simples como é possível motivar as pessoas e educá-las aplicando conceitos simples.

 

No campo educacional diversas são as possibilidades para motivar os alunos, o vídeo abaixo exemplifica.

 

Quer ouvir um pouco mais sobre o assunto, encontrei esse podcast do pessoal da Talk, onde o tema da conversa é justamente “Gamification”. Abordando os conceitos básicos e possibilidades.

Outros links interessantes:

– Gamification é bullshit (brainstorm)

– Gamificação: uma tendência ainda incompreendida

– Portal Gameficação

A série – Thank God It’s Friday ou #TGIF – aborda sempre um conteúdo mais diversificado, mas que ainda assim possa contribuir com o seu crescimento pessoal e profissional.

Leia, também, outros artigos já publicados na série:

– Desafio dos 30 dias

– Consumer Eletronics Show 2012