A Metáfora da Dívida Técnica: O preço das gambiarras

O XP (eXtreme Programming) tenta se utilizar de metáforas no desenvolvimento de software para trazer o entendimento de todos para mais próximo do mundo real. Metáforas são um instrumento poderoso.

Recentemente compareci na QConSP, e no meio de tantas palestras uma me chamou a atenção em particular, e se tratava justamente da explicação de uma metáfora (que acredito ser maravilhosa para se comunicar com a gerência ou clientes).

Todos nós sabemos o que é uma dívida no mundo real, e todos nós eventualmente entramos em dívidas, seja um financiamento de um imóvel que você vai pagar por 300 meses, ou um carro que você vai ficar endividado por 60 vezes. O pior de tudo é que além da dívida normal, você irá pagar um montante de juros absurso dependendo do tamanho da dívida que você está assumindo.

Existem as dívidas responsáveis ou conscientes como as citadas acima mas também existem dívidas inconscientes ou não responsáveis que são piores, pois surgem de uma hora para a outra sem te dar tempo para pensar se desejava assumir essa dívida ou não (ex: alguém gastando desordenadamente no cartão de crédito e quando vai ver a fatura fica surpreso).

Pois bem, no desenvolvimento de software é a mesma coisa!

Você tem que adicionar uma funcionalidade no seu sistema. Nesse momento  você enxerga duas formas de fazer isso: Uma forma é rápida de fazer, mas é meio bagunçada e com certeza você iria ter mais trabalho ainda no futuro para modificar aquilo. A outra forma é mais elegante e organizada, porém vai demorar mais. Isso lhe parece familiar?! Esse trade-off acontece o tempo todo no desenvolvimento de sistemas, mas o que esquecemos é das dívidas que assumimos quando escolhemos a forma mais rápida e mais bagunçada (ex.: gambiarras)!

Parece que não temos ciência que todas as vezes que assumimos uma dívidas técnicas no sistema, mais lento o desenvolvimento se torna, mais difícil de modificar as funcionalidades existentes, mais difícil adicionar funcionalidades novas (como mostra o primeiro gráfico) e muito mais provável que uma mudança qualquer tenha impactos indesejados e desconhecidos. Temos que estar cientes das dívidas que assumimos no dia-a-dia do desenvolvimento de software.

Ah, então é por isso que não conseguimos aumentar a velocidade do time depois de tantas sprints??

Talvez! Aí nasce a  questão importante que é o momento que iremos pagar nossas dívidas, ou ao menos parte delas. A grande maioria dos times conhecem os lugares no sistemas que estão com dívidas, e é preciso separar um tempo para PAGAR essas dívidas caso contrário os juros só fazem aumentar. Enquanto as dívidas não são pagas, nós nos deparamos com o cenário onde sprint após sprint, vamos fazer menos coisas (vide o segundo gráfico) pois agora é muito mais difícil modificar o sistema com tantas dívidas do que era no início do desenvolvimento quando não tínhamos dívida ou as poucas dívidas que tínhamos eram controláveis.

Cuidado com suas dívidas técnicas ou elas vão afundar você e seu projeto!