Copa do Mundo de Testes de Software – Inscrições Abertas

No mês passado apresentamos a Copa do Mundo de Testes aqui no blog. E hoje, recebi a notícia que as inscrições para a primeira copa do mundo de testes de software estão oficialmente abertas.  Abaixo, segue o resumo das principais informações.

Equipes:

Podem possuir de 1 a 4 integrantes. Não há limite de equipes por empresa.

Fase de Qualificação Continental:

Na primeira etapa, as disputas serão realizadas online. E apenas uma equipe será classificada por continente.

Fase Final:

Realizada presencialmente, durante o evento Agile Testing Days.

Critérios de Pontuação:

Os critérios não foram modificados, mantendo as informações do post anterior:

Diferentes aspectos levados em consideração, como: melhor bug report, melhor report de testes, bug mais valioso, etc.

O foco principal será o aspecto funcional de determinadas aplicações indicadas pelos avaliadores no início de cada etapa, podendo existir um tempo adicional alocado para aspectos não-funcionais.

O tempo para validação da aplicação sugerida será de aproximadamente 3 horas, podendo haver tempo adicional para aspectos não-funcionais.

Premiação:

Na etapa de classificação os vencedores continentais receberão:

– Entradas para os 3 dias do Agile Testing Days

– Passagens aéreas

– Shuttle aeroporto/hotel

– Hospedagem de 5 diárias

– Cópias autografadas do novo livro de Lisa Crispin e Janet Gregory 

Por fim, os grandes vencedores da etapa final receberão:

2014-03-11_0805

Anúncios

O que fazer quando o defeito está no teste ?

Contribuir para o aumento do nível de confiança, prevenir e encontrar defeitos estão entre os principais objetivos que queremos alcançar quando testamos um software. Porém, para atingirmos essas metas não existe uma simples receita de bolo e precisamos estar sempre atentos para maximizar as nossas chances de entregarmos constantemente software de qualidade e que atenda às necessidades dos clientes.

Apesar de nossos esforços, invariavelmente temos que lidar com os defeitos escapados, que normalmente implicam em stress, re-trabalho e desgaste na relação com o cliente. Em meio ao problema, uma das primeiras ações que temos é a análise da causa raiz, ou seja, identificar o porquê do defeito ter ocorrido e consequentemente do mesmo não ter sido identificado nas etapas anteriores de validação.

Diversos podem ser os motivos para a falha na detecção do defeito, por exemplo:

– Cenário de teste não estava coberto.

– Teste existia, mas não foi priorizado para o ciclo de execução.

– Teste existia, foi priorizado, porém não foi executado corretamente.

– Teste existia, foi priorizado, executado corretamente, porém diferenças de ambiente não permitiram a detecção da falha.

– Etc.

You are doing it wrong

Porém, ainda há um outro motivo, que talvez seja um dos mais frustrantes – O teste existe, mas está errado.

Quando isso acontece, independente de planejarmos corretamente, o teste, seja ele manual ou automático, nunca nos trará o resultado correto e a falha inevitavelmente aparecerá em produção. Nesses casos, ainda temos como dificuldade adicional o fato de que a re-execução do nosso teste não ajudará na reprodução do erro, podendo inclusive gerar ruído na comunicação e dificuldades na identificação da causa do problema e consequentemente em sua correção.

Identificar testes com defeito não é algo simples e corremos o risco de executá-lo diversas vezes e confiarmos em resultados enganosos. Para tentar minimizar esse tipo de situação, podemos realizar algumas ações:
– Revisar os testes existentes

– Se forem testes manuais, mudar o responsável pela execução

– Aprofundar-se no funcionamento de mocks e stubs utilizados para teste

– Conhecer as limitações das ferramentas utilizadas

– Revisar as pré-condições e o ambiente de validação

E você já enfrentou o problema de ter falhas escapadas devido a testes defeituosos? Que ações tomou para tentar evitar que o problema se repetisse?

A primeira impressão é a que fica ?

Em nosso dia-a-dia, frequentemente, entramos em contato com pessoas e empresas, que até então não conhecíamos. Nesse instante, automaticamente, registramos nossas primeiras impressões sobre as características e comportamentos do outro. Impressões essas, que com o passar do tempo poderão se mostrar verdadeiras ou não, porém, definitivamente, influenciam na maneira como agimos e interagimos.

Nos tempos atuais podemos fazer uma análise parecida da relação das pessoas com os softwares, desde os aplicativos e jogos, que instalamos em nossos dispositivos móveis aos sistemas complexos que utilizamos em nosso ambiente profissional.

Essa primeira impressão de clientes e consumidores em relação a um software pode ser afetada por diversos fatores, entre eles:

– Interface gráfica

– Facilidade de Uso

– Performance (lentidão)

– Falhas (bugs)

No entanto, ao contrário das pessoas, primeiras impressões ruins de um software dificilmente são revertidas, isto acontece porque é muito fácil para o usuário, simplesmente, buscar por outro sistema, que apresente o mesmo serviço, porém com um nível de qualidade satisfatório. Principalmente, no ambiente web e nos dispositivos móveis, onde essa troca é ainda mais simples e menos custosa.

E o que podemos fazer para que nosso software não cause uma má impressão?

Acredito que o aspecto central é conhecermos bem as reais necessidades dos nossos clientes, identificar os aspectos fundamentais tanto do ponto de vista funcional como não-funcional e, definitivamente, nunca relegar a segundo plano a qualidade, afinal há cada vez menos espaço e tolerância com sistemas defeituosos e pouco confiáveis.

Link Adicional – The power of a first Impression

E não esqueça de nos seguir no Twitter e juntar-se a nós no Facebook para ser informado das novas atualizações do blog!

Imagine um mundo SEM bugs no software

Na indústria de software estamos habituados a ideia de que todo software possui defeitos e que pouco podemos fazer para mudar isso. No vídeo a seguir, de apenas 9 minutos, Jeff McKenna, co-fundador do Scrum apresenta uma visão radical: um mundo sem bugs no software. O vídeo foi extraído de seu próximo livro “Conscious Software Development.”

O vídeo é excelente e nos faz pensar principalmente na atitude em relação aos bugs que temos em nossos projetos. Segundo Jeff, não basta corrigirmos os defeitos encontrados precisamos entendê-los e aprender com eles, só assim construiremos sistemas SEM defeitos.

Assista ao vídeo. Em seguida, destaco os principais pontos abordados por McKenna.

 

Temos sistemas de gerenciamento de defeitos, realizamos triagens, mas será que em algum momento pensamos sobre o que eles são? ou como surgiram? como fazer para não surgirem mais?”

Segundo Jeff, temos sido muito complacentes com os defeitos, acreditamos que existem muitos, e que os mesmo são parte de todos os sistemas. Porém, o autor não acredita nisso e nos convida a imaginar um mundo SEM bugs de software.

“Podemos atingir números bem menores do que as pessoas consideram razoável, e isso pode ser feito de maneira simples”

McKenna indica que, a simples conscientização a respeito dos bugs já possibilita imensos ganhos. Precisamos entender porquê eles estão presentes e agir para evitar novas falhas.

Como diminuir a quantidade de bugs?

– Reduzir o tempo entre a introdução de um bug e sua correção

A medida leva em conta o momento no qual o bug foi introduzido no sistema e não o momento em que o mesmo foi detectado. Para isso é necessário utilizar as ferramentas de controle de código, assim, após identificado o motivo do defeito podermos voltar versões do código e identificar o momento em que ele ocorreu.

Olhando para o exato momento em que o erro aconteceu podemos aprender a escrever menos bugs. Porque esse é o verdadeiro objetivo.”

O objetivo não é encontrar mais bugs e a função dos analistas de qualidade não se resume a isso.

“Classificação e triagem de feitos são uma perda de tempo, em termos de aprendizado sobre como escrever menos bugs”

Segundo McKenna, pouco importa a severidade do defeito e suas características, pois geralmente o critério de correção está diretamente ligado a questões de negócio, como a importância de um determinado cliente. Logo, se estamos tentando aprender a escrever menos bugs, não há diferença entre os mesmos, sejam eles de alta ou baixa prioridade todos são comportamentos não esperados do sistema.

“Corrigir os defeitos era a atividade de maior prioridade”

Jeff, exemplificou suas recomendações com as seguintes práticas executada em um de seus projetos:

1- Sempre que um bug surgisse, a primeira pessoa que estivesse livre passaria a trabalhar no defeito. Onde, um profissional era considerado livre quando terminava a tarefa que estava executando no momento. Bugs possuem prioridade mais alta, que todas as demais tarefas ainda não realizadas. Desse modo, no máximo em alguns dias o defeito era analisado.

2 – Corrigir e entender o problema. A mais alta prioridade era a correção do defeito, associado a criação de novos testes automáticos. Porém, o mais importante é você falar porquê aquele bug estava lá, a razão do mesmo ter ocorrido.

“O que queremos fazer é encontrar o bug o quanto antes para que possamos consertá-lo o mais cedo possível e provar o aprendizado”

Para McKenna, temos o prazo máximo de até 6 meses da introdução de um defeito, para podermos aprender algo através de sua correção, após isso a oportunidade de aprendizado terá sido desperdiçada.

“O objetivo real é escrever software SEM defeitos.”

E para atingir esse objetivo, a principal característica que temos que desenvolver é a de olhar sempre para frente. Se ficamos sempre olhando para trás 6 meses, 1 ano, analisando um código que não vemos a muito tempo, isso literalmente é perda de tempo. Então, o que queremos fazer é olhar para frente a todo o momento e ter a atitude de ZERO defeitos.

“Um bug é algo que você esmaga imediatamente.”

Ao eliminar rapidamente os bugs encontrados acabaremos com tarefas, como a priorização de defeitos. Afinal, a quantidade de bugs pendentes será sempre pequena e desse modo o foco poderá ser maior no que está sendo construído.

Este é um vídeo para ser visto diversas vezes, e se conseguirmos absorver sua ideia central, penso que, poderemos melhorar ainda mais nossos processos e principalmente nossa atitude.

Conheci esse vídeo primeiramente no Software Testing Club, uma excelente fonte de informações para testadores, com bons textos e vídeos sobre a área. Espero que tenham gostado.

…………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Agora você já pode acompanhar as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.

Os bugs também têm sentimentos

Muitas vezes uma imagem diz mais do que mil palavras. No blog Cartoon tester, Andy Glover faz uso de imagens extremamente simples, mas que transmitem de maneira objetiva conceitos e práticas interessantes relacionadas com as atividades do engenheiro de testes.

A imagem abaixo é do post do blog, que fala de maneira correta sobre algumas atitudes que devemos ter no nosso dia a dia quando encontramos bugs. Abaixo, uma breve explicação dos pontos mencionados.

Se você encontrar um bug:

1 – Reporte-o, bugs não gostam de ser esquecidos.

Diversos motivos podem levar um testador a esquecer de reportar algum defeito encontrado, prazos apertados, tarefas acumuladas, desorganização ou simplesmente o fato de que algumas vezes os defeitos são encontrados antes mesmo dos testes, em conversas informais, treinamentos, etc.. e nem sempre os envolvidos tomam as devidas ações nessas situações.

2 – Conheça-o melhor, bugs gostam de ser compreendidos.

Antes de reportar um defeito, devemos entender por completo seu comportamento, sua abrangência e quais são seus impactos.

3 – Tire uma foto, bugs gostam de guardar recordações das ocasiões.

Screenshots, fotos e inclusive vídeos ajudam a evidenciar melhor a reportagem de um defeito, facilitando o entendimento do desenvolvedor e evitando CRs reabertas.

4 – Conheça seus companheiros, bugs são socialites.

Ao encontrar um defeito é comum que outros bugs estejam localizados nas suas redondezas, por isso é importante a varredura nas funcionalidades relacionadas para rapidamente detectar novas falhas.

5 – Reporte rapidamente, do contrário os bugs se estabelecem e fazem moradia.

Agilidade na reportagem permite que sua correção também seja antecipada, evitando que outros bugs causados pela falha já existente sejam revelados.

6 – Seja honesto, bugs não gostam de fofocas.

Classificação de severidade e prioridade supervalorizadas, melhorias registradas como defeitos, entre outros problemas frequentes, causam problemas na comunicação da equipe e atrapalham o andamento das atividades.

7 – Guarde como o conheceu, bugs são românticos.

Ao encontrar um defeito, a primeira tarefa é sempre de verificar quais foram os passos prévios para detecção do problema, reportar como podemos reproduzir o issue é essencial para os desenvolvedores durante a correção e também para os testadores no momento da verificação das correções.

8 – Não o ignore, bugs podem morder quando não apreciados.

Em meio a tantos bugs, normalmente encontrados durante os testes, é comum que em alguns momentos desprezemos alguns defeitos encontrados, por acreditarmos que os mesmos são irrelevantes ou nunca serão corrigidos. Porém, já cansei de ver defeitos ignorados sendo reportados posteriormente por clientes ou quando vistos por outros ângulos gerando consequências graves para o sistema.

Adicionaria a lista de atitudes a verificação dos defeitos já existentes, prática bastante simples, mas que muitas vezes é relegada, e que pode evitar trabalho desnecessário de diversas pessoas.

E vocês concordam com os tópicos? Sentiram falta de mais alguma atitude?

…………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Agora você já pode acompanhar as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.

Por que os bugs graves surgem no último dia?

Os últimos dias que antecedem a uma entrega, com frequência, são repletos de correria, stress, pressão e claro bugs e mais bugs, que parecem intermináveis.

O que pode nos levar a pensar, que estamos cometendo os mesmos erros. Pensamos, refletimos, avaliamos e discutimos durante reuniões de Sprint Retrospective, que as vezes parecem intermináveis, o porquê de, mais uma vez, termos feito diversas horas extras nos últimos dias que antecederam a entrega.

Abaixo, listamos alguns dos fatores, que podem contribuir para esse número de bugs elevado, os quais podemos combater e assim, pelo menos, reduzir sua probabilidade de ocorrência.

Ausência de testes durante a sprint
Um dos problemas mais comuns que econtramos está relacionado a ausência de testes intermediários durante a sprint, sobrecarregando os testes de sistema realizados nos últimos dias e consequentemente proporcionando um número maior de CRs graves nos últimos dias.

Testes mal priorizados
Durante a execução do ciclo de testes de sistema, a priorização da ordem de execução também tem se mostrado um elemento fundamental para permitir que a maior parte dos defeitos graves sejam encontrados nos primeiros dias de execução.

Prazos irreais para testes
Sistemas gigantescos, com diversos requisitos de hardware, contando apenas com alguns dias para testes. Mais um grande motivo, para que o planejamento seja mal feito, a execução corrida e, desse modo, defeitos graves acabem não sendo antecipados ou até mesmo escapando.

Prazos irreais para correção
Desenvolvedores pressionados pelo “dia da entrega” implementando soluções, que nem sempre são a “melhor” solução, podendo, também, gerar novos bugs no sistema.

Especificação Deficiente
Estórias ou requisitos mal descritos, ausência de Product Owner ou Engenheiro de Requisitos, proporcionam dificuldades para desenvolvedores e testadores, o que acaba significando um maior número de defeitos.

Testes mal realizados
Diversos pontos da estratégia de testes podem precisar de uma boa revisão, é comum a ausência dos testes estáticos na documentação, a precariedade dos testes unitários, e a falta dos de componente. Criando, dessa forma, um enorme gargalo nos testes de sistema ou de regressão.

Porém, ledo engano nosso, achar que ao identificar e corrigir todos os possíveis problemas, nenhum bug grave será encontrado nos últimos dias. Na verdade, isso apenas minimiza o problema (o que é fundamental) e, hoje, não temos como garantir, que iremos conseguir antecipar todos os defeitos graves.

Enquanto houver tempo para testar, e o time possuir qualidade e disposição, devem haver bugs, inclusive graves…
E se adiarmos a entrega por mais alguns dias… continuaremos a encontrar bugs…

E você o que acha? Que outras medidas podem ser tomadas?

Acompanhe as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.