Agilidade é Ritmo!

Assitir palestras de alguns gurus é sempre interessante! Mesmo quando a palestra não está legal, em algum momento você pode escutar alguma frase ou alguma explicação que pode mudar sua vida. Eu diria que é mais ou menos como um atacante de futebol que é artilheiro, mas está jogando uma péssima partida, mas o técnico o deixa em campo pois a qualquer momento ele pode fazer um gol!

Dito isto, eu estava em uma longa palestra com um artilheiro, mas a palestra não estava tão interessante. Mas em determinado momento, falando sobre agilidade,  ele disse: “Agile is about rhythm!” Essa frase então chamou minha atenção e fiquei atento a explicação do que isso significava, e fez sentido pra mim.

Se você participa de um projeto que tem um determinado ritmo como por exemplo entregar um release do software a cada 6 meses, você tem “muito tempo” para pensar/fazer/detalhar requisitos, “muito tempo” pra implementar e por aí vai. É óbvio que você vai terminar fazendo mais do que o necessário para o momento e talvez não consiga finalizar tudo, além de colher o feedback muito tarde (em 6 meses tudo pode mudar).

No entanto, se você tem um ritmo de fazer um release por mês, você tem menos tempo pra focar em vários requisitos, por isso você só seleciona alguns deles (os mais importantes do ponto de visto do cliente), você nao tem tanto tempo pra discutir requisitos em um nível de detalhes muito aprofundado (a  não ser que realmente seja preciso) e você não tem tempo para perder tempo com reuniões sem sentido e etc, então você foca em desenvolver aquilo que tem pra ser desenvolvido de forma a receber feedback o mais rápido possível e mudar o mais rápido possível (antes que o custo da mudança seja muito caro ou inviável).

Ah, acho que tem um cenário pior do que os dois que apresentei, que é o caso de você não ter ritmo nenhum!

E você o que acha? Qual o ritmo que faz mais sentido para você ou para sua empresa?

Anúncios

Teste está morto parte 2

Como havia prometido, volto hoje ao tema abordado na semana passada. Tentarei destacar os principais pontos abordados no vídeo recomendado na parte 1. E antes de tudo, obrigado a todos pela participação no blog, na DFTestes e no Linkedin. A colaboração de vocês é fundamental para o enriquecimento da discussão.

A primeira grande contribuição do vídeo trata-se da abordagem inicial a evolução das metodologias de desenvolvimento e consequentemente as diferentes formas de atuação dos testadores. O palestrante, Alberto Savoia, a divide em dois grandes momentos: Old Testmentality e New Testmentality. Partindo da dependência completa dos documentos de requisitos, aos ciclos mais curtos das metodologias ágeis associados a uma maior integração entre desenvolvedores e testadores.

Durante a chamada Old Testmentality, as aplicações só eram entregues quando estivessem completamente “prontas”. Enquanto, que na New Testmentality, as entregas passaram a ser frequentes, exigindo uma participação constante do cliente na construção do “produto correto”.

Em seguida, Savoia começa a destacar os pontos que o levam a pensar que o teste tradicional está morto. Começando pelo o que ele chama de Post-Agile, a qual tem como diferencial o fato de apresentar uma postura mais casual e descuidada em relação aos testes ágeis tradicionais.

Segundo Savoia, a questão central cada vez mais é a construção do “produto correto” e não o simples desenvolvimento correto do produto ou das funcionalidades, ou seja, o objetivo é entregar um produto, que em primeiro lugar, atenda às necessidades dos usuários. Não basta ser apenas perfeito funcionalmente.

O palestrante nos lembra que de fato existem diversas aplicações fabulosas construídas utilizando os conceitos tradicionais, mas que a estrutura existente nos dias atuais, como a computação nas nuvens, permitem diminuir o foco da qualidade de software e transferi-lo para garantir que estamos construindo o produto CORRETO.

Um grande exemplo citado é o twitter, que tornou famosa sua baleia com a enormidade de vezes que deixava os usuários na mão, mas mesmo assim eles continuavam voltando, pois o produto era o desejado.

Nesse novo cenário, que se desenha, segundo Savoia, precisamos nos voltar para outro tipo de bug, o chamado idea bug, que podemos traduzir como bugs de conceito ou de idéia do produto.

Um produto errado é muito pior do que um produto com o comportamento errado.

A chave é testar a idéia, ou seja, garantir que estamos desenvolvendo o produto certo.

E como podemos testar a idéia?

A sugestão de Savoia é começarmos utilizando protótipos iniciais (pretotype), os quais ele diferencia dos protótipos tradicionais, por serem desenvolvidos e aplicados em curtos espaços de tempo. É fundamental testar cedo e falhar rápido, segundo o mesmo Bons testes falham rápido, diminuindo o tempo e o capital investido. (BdB – Os bons testes falham)

Alberto cita ainda alguns dos sinais observados, que o levam a crer no fim dos testes tradicionais.

Sinais do Testpocalypse:

– Diminuição no numero de contratações
– Comoditização dos testadores
– Saída dos antigos líderes e ausência de novos
– Mais e mais empresas partindo para o Post-Agile

Acompanhado essa corrente de mudanças existem enormes oportunidades. Savoia enfatiza a crescente necessidade do surgimento de novos líderes na área de testes, com uma mentalidade diferente, e que possam conduzir essa etapa de transição. Onde, como o mesmo aponta, ainda conviveremos por um longo tempo com as diversas formas de teste. (BdB – Imagine um mundo sem Bugs no Software)

Por fim, um dos slides afirma “Test is dead. Don’t take it literally, but take it seriously.”, traduzindo, “Teste está morto. Não leve isso literalmente, mas leve a sério.”. Logo, a palestra é uma alerta e não uma simples afirmação arrogante, que se julga acima de todos nós. Uma apresentação, que vale a pena ser vista com atenção, e que nos deve levar a refletir sobre os caminhos, que estamos seguindo, as oportunidades de aprendizado e de mudança que podemos levar a nossa área. Sejamos o agente dessas mudanças.

P.S. Todas as imagens utilizadas estão nos slides da apresentação, disponível aqui.

Imagine um mundo SEM bugs no software

Na indústria de software estamos habituados a ideia de que todo software possui defeitos e que pouco podemos fazer para mudar isso. No vídeo a seguir, de apenas 9 minutos, Jeff McKenna, co-fundador do Scrum apresenta uma visão radical: um mundo sem bugs no software. O vídeo foi extraído de seu próximo livro “Conscious Software Development.”

O vídeo é excelente e nos faz pensar principalmente na atitude em relação aos bugs que temos em nossos projetos. Segundo Jeff, não basta corrigirmos os defeitos encontrados precisamos entendê-los e aprender com eles, só assim construiremos sistemas SEM defeitos.

Assista ao vídeo. Em seguida, destaco os principais pontos abordados por McKenna.

 

Temos sistemas de gerenciamento de defeitos, realizamos triagens, mas será que em algum momento pensamos sobre o que eles são? ou como surgiram? como fazer para não surgirem mais?”

Segundo Jeff, temos sido muito complacentes com os defeitos, acreditamos que existem muitos, e que os mesmo são parte de todos os sistemas. Porém, o autor não acredita nisso e nos convida a imaginar um mundo SEM bugs de software.

“Podemos atingir números bem menores do que as pessoas consideram razoável, e isso pode ser feito de maneira simples”

McKenna indica que, a simples conscientização a respeito dos bugs já possibilita imensos ganhos. Precisamos entender porquê eles estão presentes e agir para evitar novas falhas.

Como diminuir a quantidade de bugs?

– Reduzir o tempo entre a introdução de um bug e sua correção

A medida leva em conta o momento no qual o bug foi introduzido no sistema e não o momento em que o mesmo foi detectado. Para isso é necessário utilizar as ferramentas de controle de código, assim, após identificado o motivo do defeito podermos voltar versões do código e identificar o momento em que ele ocorreu.

Olhando para o exato momento em que o erro aconteceu podemos aprender a escrever menos bugs. Porque esse é o verdadeiro objetivo.”

O objetivo não é encontrar mais bugs e a função dos analistas de qualidade não se resume a isso.

“Classificação e triagem de feitos são uma perda de tempo, em termos de aprendizado sobre como escrever menos bugs”

Segundo McKenna, pouco importa a severidade do defeito e suas características, pois geralmente o critério de correção está diretamente ligado a questões de negócio, como a importância de um determinado cliente. Logo, se estamos tentando aprender a escrever menos bugs, não há diferença entre os mesmos, sejam eles de alta ou baixa prioridade todos são comportamentos não esperados do sistema.

“Corrigir os defeitos era a atividade de maior prioridade”

Jeff, exemplificou suas recomendações com as seguintes práticas executada em um de seus projetos:

1- Sempre que um bug surgisse, a primeira pessoa que estivesse livre passaria a trabalhar no defeito. Onde, um profissional era considerado livre quando terminava a tarefa que estava executando no momento. Bugs possuem prioridade mais alta, que todas as demais tarefas ainda não realizadas. Desse modo, no máximo em alguns dias o defeito era analisado.

2 – Corrigir e entender o problema. A mais alta prioridade era a correção do defeito, associado a criação de novos testes automáticos. Porém, o mais importante é você falar porquê aquele bug estava lá, a razão do mesmo ter ocorrido.

“O que queremos fazer é encontrar o bug o quanto antes para que possamos consertá-lo o mais cedo possível e provar o aprendizado”

Para McKenna, temos o prazo máximo de até 6 meses da introdução de um defeito, para podermos aprender algo através de sua correção, após isso a oportunidade de aprendizado terá sido desperdiçada.

“O objetivo real é escrever software SEM defeitos.”

E para atingir esse objetivo, a principal característica que temos que desenvolver é a de olhar sempre para frente. Se ficamos sempre olhando para trás 6 meses, 1 ano, analisando um código que não vemos a muito tempo, isso literalmente é perda de tempo. Então, o que queremos fazer é olhar para frente a todo o momento e ter a atitude de ZERO defeitos.

“Um bug é algo que você esmaga imediatamente.”

Ao eliminar rapidamente os bugs encontrados acabaremos com tarefas, como a priorização de defeitos. Afinal, a quantidade de bugs pendentes será sempre pequena e desse modo o foco poderá ser maior no que está sendo construído.

Este é um vídeo para ser visto diversas vezes, e se conseguirmos absorver sua ideia central, penso que, poderemos melhorar ainda mais nossos processos e principalmente nossa atitude.

Conheci esse vídeo primeiramente no Software Testing Club, uma excelente fonte de informações para testadores, com bons textos e vídeos sobre a área. Espero que tenham gostado.

…………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Agora você já pode acompanhar as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.

Por que os bugs graves surgem no último dia?

Os últimos dias que antecedem a uma entrega, com frequência, são repletos de correria, stress, pressão e claro bugs e mais bugs, que parecem intermináveis.

O que pode nos levar a pensar, que estamos cometendo os mesmos erros. Pensamos, refletimos, avaliamos e discutimos durante reuniões de Sprint Retrospective, que as vezes parecem intermináveis, o porquê de, mais uma vez, termos feito diversas horas extras nos últimos dias que antecederam a entrega.

Abaixo, listamos alguns dos fatores, que podem contribuir para esse número de bugs elevado, os quais podemos combater e assim, pelo menos, reduzir sua probabilidade de ocorrência.

Ausência de testes durante a sprint
Um dos problemas mais comuns que econtramos está relacionado a ausência de testes intermediários durante a sprint, sobrecarregando os testes de sistema realizados nos últimos dias e consequentemente proporcionando um número maior de CRs graves nos últimos dias.

Testes mal priorizados
Durante a execução do ciclo de testes de sistema, a priorização da ordem de execução também tem se mostrado um elemento fundamental para permitir que a maior parte dos defeitos graves sejam encontrados nos primeiros dias de execução.

Prazos irreais para testes
Sistemas gigantescos, com diversos requisitos de hardware, contando apenas com alguns dias para testes. Mais um grande motivo, para que o planejamento seja mal feito, a execução corrida e, desse modo, defeitos graves acabem não sendo antecipados ou até mesmo escapando.

Prazos irreais para correção
Desenvolvedores pressionados pelo “dia da entrega” implementando soluções, que nem sempre são a “melhor” solução, podendo, também, gerar novos bugs no sistema.

Especificação Deficiente
Estórias ou requisitos mal descritos, ausência de Product Owner ou Engenheiro de Requisitos, proporcionam dificuldades para desenvolvedores e testadores, o que acaba significando um maior número de defeitos.

Testes mal realizados
Diversos pontos da estratégia de testes podem precisar de uma boa revisão, é comum a ausência dos testes estáticos na documentação, a precariedade dos testes unitários, e a falta dos de componente. Criando, dessa forma, um enorme gargalo nos testes de sistema ou de regressão.

Porém, ledo engano nosso, achar que ao identificar e corrigir todos os possíveis problemas, nenhum bug grave será encontrado nos últimos dias. Na verdade, isso apenas minimiza o problema (o que é fundamental) e, hoje, não temos como garantir, que iremos conseguir antecipar todos os defeitos graves.

Enquanto houver tempo para testar, e o time possuir qualidade e disposição, devem haver bugs, inclusive graves…
E se adiarmos a entrega por mais alguns dias… continuaremos a encontrar bugs…

E você o que acha? Que outras medidas podem ser tomadas?

Acompanhe as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.

o Mundo da Agilidade

Acabei de fazer uma apresentação sobre agilidade, e decidi compartilhar com vocês. O FOCO foi nos valores que o manifesto ágil listou, e não nas práticas, afinal esses valores que caracterizam um desenvolvimento ágil, e não práticas X, Y ou Z.

Apesar de falar sobre os VALORES, também falei sobre duas metodologias que considero muito boas que é o XP e o SCRUM.