O que estão falando sobre Testes de Software em Nova York?

Entre os dias 11 e 13 de Agosto aconteceu em Nova York a nona edição do CAST 2014(Conference of the Association of Software Testing). A conferência voltada inteiramente para a área de Testes de Software contou com a participação de diversos palestrantes discutindo e compartilhando informações e experiências referentes aos mais diversos tipos de problemas e práticas aplicadas na indústria.

Os vídeos das palestras já estão disponíveis no canal da associação no youtube. Na lista de palestras várias me parecem bem interessantes, particularmente, optei por começar pelo Keynote realizado pelo James Bach, autor de diversos livros na área, com tema Test Cases are Not Testing: Toward a Performance Culture. Apesar de não ser um tema novo, debater sobre como devemos usar os casos de teste ou mesmo se devemos usá-los, ainda é algo que rende muitas discussões. No vídeo, James faz diversas comparações bem interessantes e que reforçam o erro que é tratar testes de software como uma simples aplicação de passos de um caso de teste.

“We’ve got to stop thinking of testing as a thing and start thinking about testing as a performance, like an actor in a play, in order to get management to appreciate what we do.”

Divirtam-se!

Anúncios

Copa do Mundo de Testes de Software – Etapa América do Sul

A primeira etapa da copa do mundo de testes de software chegou ao seu final, após a realização de cada uma das eliminatórias continentais.

No último dia 19 de julho tive a oportunidade de participar da etapa da América do Sul e compartilho com vocês como foi a experiência.

Preparação:

Começamos nossa preparação através de uma rápida reunião um dia antes do evento, onde definimos nossa estratégia baseando-se nas informações que tínhamos até o momento e preparamos um “template” para o relatório de testes, que deveríamos mandar ao final da competição.

Já no dia do evento, 30 minutos antes do horário previsto para o início da competição recebemos as últimas instruções dos organizadores, que descreviam: 

Utilizamos esse tempo antes do horário de início para instalar o aplicativo, entender suas principais características e utilizando o quadro como apoio identificamos sub-áreas da aplicação e os tipos e técnicas de testes que gostaríamos de aplicar.

As 3 horas de competição:

Com o auxílio das informações no quadro direcionamos o nosso foco para maximizar a execução e identificação de falhas. Ao longo das 3 horas, que passaram voando, exploramos e reportamos diversas falhas de diferentes níveis de severidade, além de itens referentes a usabilidade da aplicação. 

Durante o tempo disponível para execução, priorizamos a comunicação entre os membros da equipe, com o objetivo de:

  1. Evitar duplicação de esforços;
  2. Compartilhar de maneira fácil e rápida informações relevantes e defeitos encontrados;
  3. Trabalharmos em conjunto na investigação e identificação de problemas.

Como nosso time possui 4 integrantes, definimos que 1 trabalharia com maior foco na elaboração do relatório que deveria ser entregue ao final do evento, enquanto os demais permaneceriam voltados para execução. Essa organização nos permitiu continuar com a execução até quase os últimos minutos disponíveis sem comprometer a elaboração e entrega do relatório.

Valeu a pena?

Com certeza! Todos da equipe gostaram da experiência e nos divertimos bastante trabalhando em conjunto para encontrar defeitos relevantes. Ao final das 3 horas podemos dizer que conseguimos atingir uma cobertura interessante das funcionalidades do sistema, mesmo enfrentando situações, como a inexistência de requisitos e a restrição de tempo.

Agora, só nos resta aguardar pelo resultado e por novas edições da competição!