Os bugs também têm sentimentos

Muitas vezes uma imagem diz mais do que mil palavras. No blog Cartoon tester, Andy Glover faz uso de imagens extremamente simples, mas que transmitem de maneira objetiva conceitos e práticas interessantes relacionadas com as atividades do engenheiro de testes.

A imagem abaixo é do post do blog, que fala de maneira correta sobre algumas atitudes que devemos ter no nosso dia a dia quando encontramos bugs. Abaixo, uma breve explicação dos pontos mencionados.

Se você encontrar um bug:

1 – Reporte-o, bugs não gostam de ser esquecidos.

Diversos motivos podem levar um testador a esquecer de reportar algum defeito encontrado, prazos apertados, tarefas acumuladas, desorganização ou simplesmente o fato de que algumas vezes os defeitos são encontrados antes mesmo dos testes, em conversas informais, treinamentos, etc.. e nem sempre os envolvidos tomam as devidas ações nessas situações.

2 – Conheça-o melhor, bugs gostam de ser compreendidos.

Antes de reportar um defeito, devemos entender por completo seu comportamento, sua abrangência e quais são seus impactos.

3 – Tire uma foto, bugs gostam de guardar recordações das ocasiões.

Screenshots, fotos e inclusive vídeos ajudam a evidenciar melhor a reportagem de um defeito, facilitando o entendimento do desenvolvedor e evitando CRs reabertas.

4 – Conheça seus companheiros, bugs são socialites.

Ao encontrar um defeito é comum que outros bugs estejam localizados nas suas redondezas, por isso é importante a varredura nas funcionalidades relacionadas para rapidamente detectar novas falhas.

5 – Reporte rapidamente, do contrário os bugs se estabelecem e fazem moradia.

Agilidade na reportagem permite que sua correção também seja antecipada, evitando que outros bugs causados pela falha já existente sejam revelados.

6 – Seja honesto, bugs não gostam de fofocas.

Classificação de severidade e prioridade supervalorizadas, melhorias registradas como defeitos, entre outros problemas frequentes, causam problemas na comunicação da equipe e atrapalham o andamento das atividades.

7 – Guarde como o conheceu, bugs são românticos.

Ao encontrar um defeito, a primeira tarefa é sempre de verificar quais foram os passos prévios para detecção do problema, reportar como podemos reproduzir o issue é essencial para os desenvolvedores durante a correção e também para os testadores no momento da verificação das correções.

8 – Não o ignore, bugs podem morder quando não apreciados.

Em meio a tantos bugs, normalmente encontrados durante os testes, é comum que em alguns momentos desprezemos alguns defeitos encontrados, por acreditarmos que os mesmos são irrelevantes ou nunca serão corrigidos. Porém, já cansei de ver defeitos ignorados sendo reportados posteriormente por clientes ou quando vistos por outros ângulos gerando consequências graves para o sistema.

Adicionaria a lista de atitudes a verificação dos defeitos já existentes, prática bastante simples, mas que muitas vezes é relegada, e que pode evitar trabalho desnecessário de diversas pessoas.

E vocês concordam com os tópicos? Sentiram falta de mais alguma atitude?

…………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Agora você já pode acompanhar as novidades do BdB pelo Facebook, acesse e curta nossa página.

Anúncios

12 comentários sobre “Os bugs também têm sentimentos

  1. Oi José, adorei as ilustrações e a forma com que foi explicado cada passo. Um ponto que acho relevante também são vídeos de erros. Muitas vezes, por mais que descrevemos minuciosamente cada passo, o desenvolvedor não consegue encontrar o erro. Um detalhe que não percebemos, pode fazer diferença para estourar o erro, e fica explícito no vídeo. Um caso bobo e simples é a questão de clicar num listbox e selecionar um item, e no outro, digitar pelo teclado. Já aconteceu comigo esse tipo de erro, então, acho que ali no item das recordações das fotos, também pode-se incluir o vídeo. Valeu.

    • Concordo inteiramente, e o vídeo não só facilita a vida dos desenvolvedores, mas também minimiza o trabalho que temos ao detalhar um defeito na CR

  2. José, gostei da matéria. Isso coloca a importância que é apontar os bugs e não deixar passar, causando prejuízos maiores lá na frente. Ainda existem pessoas que não compreendem que existem erros que devem ser tratados a tempo, e não podem ser postergados…. muitas vezes o que importa é cumprir prazos, mas o analista de qualidade não pode deixar de apontar os erros, independente da pressão que esteja passando.

  3. […] Bytes Don’t Byte: esse blog tem uma proposta parecida com o TestExpert, mas com uma diferença importante, ele não se limita a testes nos seus assuntos. É bem eclético. Porém, se quiseremos nos restringir apenas aos posts sobre testes basta filtrarmos. O blog tem cerca de um ano e meio e a parte de testes está com atividade aparentemente desde o meio de 2011, mas tem mantido uma boa frequência e excelentes posts. Desde o famigerado “O teste está morto” até o bem humorado “Bugs tem sentimentos“. […]

  4. […] Esse blog tem uma proposta parecida com o TestExpert, mas com uma diferença importante: ele não se limita a testes nos seus assuntos. É bem eclético. Porém, se quisermos nos restringir apenas aos posts sobre testes, basta filtrarmos. O blog tem cerca de um ano e meio e a parte de testes está com atividade aparentemente desde o meio de 2011, mas tem mantido uma boa frequência e excelentes posts, desde o famigerado “O teste está morto” até o bem humorado “Bugs tem sentimentos“. […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s