Os bons testes falham

O aprendiz foi até o programador mestre e disse:

“Todos os meus testes sempre passam. Não mereço um aumento?”

O mestre acertou uma tapa no rosto do aprendiz e respondeu:

“Se todos os seus testes passam, sempre que são executados,

você precisa escrever testes melhores.”

Com a bochecha vermelha, o aprendiz foi até os recursos humanos para reclamar.

Mas essa é outra estória.

Link para o material completo em Inglês

É de fundamental importância que todos os envolvidos no ciclo de vida de um software entendam cada vez mais a integração entre as disciplinas de desenvolvimento e testes, o trecho destacado acima foi retirado do Guia para testes unitários, elaborado por Alberto Savioa da Agitar Software, o qual apresenta de forma simples, divertida e direta um fundamento básico a ser trabalhado em ambas as áreas.

Definir o que é um bom teste de software não é algo simples, seja ele um teste unitário feito pelos desenvolvedores ou mesmo testes funcionais ou não-funcionais elaborados pela equipe de testes. Considerando apenas os aspectos mais básicos, um bom conjunto de testes precisa alcançar uma boa cobertura da aplicação e ser eficiente na tarefa de identificar as falhas presentes no software.

No entanto, me impressiona o número de profissionais de TI, inclusive engenheiros de teste, que não se incomodam quando um ciclo de testes executado apresenta 100% dos casos de teste como passados, e ainda percebem isso como um claro indicador de que o software está “livre” de defeitos. Uma análise, que muitas vezes pode se mostrar enganosa e levar a muitos prejuízos.

Um dos princípios de Testes de Software, segundo o livro “Fundamentos de Testes de Software”, fala sobre a ilusão da ausência de defeitos, o qual tenta alertar contra o fato de que a ausência de bugs, não necessariamente significa que o sistema desenvolvido atende a um determinado padrão de qualidade ou mesmo às necessidades do usuário. Afinal, o problema pode estar nos próprios casos de teste, no planejamento ou até mesmo na maneira como os mesmos foram executados.

Princípio – Não caia na ilusão da ausência de defeitos.

  Em outras palavras, um teste que não encontra falhas
é diferente de concluir que o software está livre de defeitos.
Devemos assumir que todo software contém algumas falhas,
ainda que estas estejam escondidas.

Link – Resumo do Foundations of Software Testing

Logo, seja você um desenvolvedor ou testador, que cria testes manuais ou automáticos e os executa, é preciso ter bastante cuidado ao analisar a eficiência do seu conjunto de testes. Revisar constantemente os testes mais antigos e avaliar os defeitos escapados são boas práticas que podem contribuir na evolução dos testes.

Por fim, precisamos nos desapegar um pouco da associação teste passado e sucesso, e avaliar a cada estágio de teste o nível de confiança que podemos ter nos resultados obtidos, estando sempre atentos ao significado do termo “qualidade” para cada cliente ou projeto.

Anúncios