Aumentando a qualidade do software com apoio do Powerpoint

Como havia prometido no post – Apertem os Cintos, o Analista de Requisitos Sumiu!, descrevo hoje como abordávamos o gerenciamento dos requisitos (estorias) num dos projetos desenvolvidos no C.E.S.A.R. gerenciado com SCRUM. A mesma, já foi inclusive mencionada por Marcelo Nunes no post Mapeando Requisitos em Projetos Scrum.

Espero que de alguma forma, nosso exemplo, possa ser útil a vocês, para que possam tentar aplicá-lo em seus projetos ou que ao menos possa servir de referência para que apliquem suas ideias em seu ambiente de trabalho e com a cooperação dos colegas possam construir soluções para seus problemas. Se você ainda não conhece bem o Scrum, consulte os seguintes links: Scrum em 10 minutosHistórias de Usuário

O que descrevemos nas próximas linhas, como uma abordagem, surgiu naturalmente durante o projeto e foi sendo aprimorado, com o simples intuito de garantir que as estórias selecionadas para a próxima sprint fossem compreendidas de maneira uniforme por toda a equipe, e atingindo esse objetivo outros benefícios eram proporcionados, como: Diminuição do número de defeitos, maior satisfação do cliente, melhor comunicação entre os membros da equipe, entregas realizadas no prazo correto, além de poder servir como guia para novos integrantes da equipe, entre outras vantagens.

A partir do momento em que as estórias haviam sido selecionadas para a nova sprint, os seguintes passos eram iniciados:

  1. Detalhar estórias da sprint 
  2. Discutir o PPT com toda equipe
  3. Implementação da estória
No passo 1, as estórias selecionadas eram descritas através de slides, seguindo a prioridade estabelecida entre as mesmas. Desse modo as mais importantes eram liberadas com maior antecedência para as etapas seguintes. O slides deveriam ser simples e diretos, descrevendo o objetivo central da estória, geralmente continham esboço da interface e informações a respeito do escopo.
Abaixo, exemplificamos o uso dos slides para uma estória fictícia, descrita da seguinte forma: “Como um administrador do blog eu quero saber quais os posts mais acessados para que possa analisar o perfil dos visitantes.”

Já o passo 2, consistia de uma reunião com todo o time, onde o responsável pela elaboração do PPT explicava o funcionamento da estória. Sendo este o momento mais importante da nossa abordagem, o qual permitia um entendimento mais profundo da necessidade do cliente. Durante a reunião todos interagiam procurando esclarecer os detalhes que envolviam a estória, seus possíveis impactos em outras funcionalidades previamente implementadas, além de como a mesma deveria se comportar em determinados cenários.

Ao final da reunião, normalmente algumas mudanças no PPT eram realizadas em razão dos pontos levantados, e a partir desse momento o passo três podia ter continuidade, tendo agora como base também as informações disponíveis no PPT, facilitando o trabalho de desenvolvedores e testadores, através da diminuição da quantidade de retrabalho causado pelo diferente entendimento das estórias.

A abordagem utilizada por nós, atingiu o objetivo do projeto, garantindo que as necessidades do cliente fossem compreendidas pelo time e desse modo proporcionando entregas de maior qualidade. É importante, também, ressaltarmos que o fundamental para o sucesso da abordagem está diretamente ligado a troca de ideias e ao comprometimento com a qualidade, sendo o PPT apenas uma forma rápida e ágil para apoiar essa comunicação.

E o que não podemos nos esquecer, é que a utilização, melhoria e adaptação dos processos deve ser um ato contínuo, onde as características do projeto e das pessoas que fazem o mesmo precisam ser levadas em consideração.

Ficou interessado na abordagem proposta? Caso haja qualquer dúvida ou dificuldade ao tentar aplicá-la em seu ambiente de trabalho, entre em contato conosco.

Anúncios

Trabalho em equipe: Quais erros você comete?

Marília Balbé é escritora convidada do Bytes Don’t Bite e você pode  encontrá-la em @maribalbe

Já parou pra pensar o quanto precisamos dos outros para desenvolver determinadas tarefas? Já parou para analisar o quanto o trabalho em equipe está cada vez mais badalado?

Ter a capacidade de manter um bom trabalho em equipe é uma habilidade muito valorizada! E com certeza é um grande diferencial na hora de escolher um candidato para uma vaga de emprego dentro de uma organização. Quem vai querer alguém sem essa característica dentro da equipe?

Nas empresas que conheço um dos pré-requisitos fundamentais para conseguir aquela vaga de emprego é ter capacidade de trabalhar em conjunto e atingir objetivos com a equipe.

Justamente por isso, separamos alguns dos principais erros que geralmente acontecem nos ambientes de trabalho, onde equipes são prejudicadas por comportamento de colaboradores.

Vamos a nossa lista de possíveis erros detectados em algumas equipes:

– Ficar irritado com os colaboradores

Equipe sem atrito definitivamente não é uma equipe de verdade! Imagina várias personalidades e habilidades diferentes em um mesmo ambiente.. Com certeza atritos vão ocorrer, mas é nessa hora que devemos colocar em prática a empatia para evitar que o problema se torne maior ainda. Cada colaborador tem um ritmo e um rendimento. Alguns vão aprender mais rápido do que os outros..  Manter um ponto de equilíbrio entre ser educado e o emocional é importante demais nesses momentos de tensão.

– Recusar trabalho em equipe

Vai querer abraçar o mundo sozinho? Temos exemplos de sobra que grandes e bons resultados não nascem de ações individuais e isoladas. Resistir ao trabalho em equipe pode causar grandes danos para sua carreira, afinal, conseguir lidar com pessoas totalmente diferentes é um desafio enorme, e quem consegue fazer isso tem pontos a somar no currículo! Na organização, e dentro da equipe um depende do outro.. Se você não quiser colaborar com o seu colega do lado, teremos um enorme gargalo nas ações realizadas. Se você ainda não consegue, chegou a hora de dar essa abertura, e começar a praticar.

– Não respeitar as diferenças

Equipes são compostas de pessoas totalmente diferentes, com habilidades diferentes. E ainda existem pessoas que simplesmente não respeitam a opinião e a postura do colega de trabalho. E aí? Como fica? As diferenças é que dão o balanço e a sinergia na equipe. Onde um complementa o outro. O que um não sabe, o outro pode ajudar. Respeitar essa diversidade é essencial no ambiente de trabalho. Aceitando a diversidade, as possibilidades de atuação são ampliadas, sem invadir o espaço do outro. Vai ficar de cara fechada pelo seu colega discordar de você? Sem essa!

 – Resolver depois

Aqui é fator crítico, em todo ambiente que vejo onde conflitos são deixados pendentes a situação fica pior do que já está. Quando conflitos são acumulados, a proporção dos mesmos aumenta.. Podem ser dúvidas, algum desconforto, decisões adiadas, entre outros. Se o colaborador não tentar resolver o assunto, isso pode gerar fofoca com os outros colegas da equipe, antipatia, e sem falar no péssimo clima dentro do ambiente de trabalho.

Os deslizes que acontecem no nosso dia-a-dia de empresas são muitos, onde não conseguimos numerar tudo, onde as diversidades são gritantes, onde os desafios e obstáculos aparecem a todo o momento. Aqui vale gerar uma boa estratégia para a sinergia acontecer entre a equipe, onde o foco são resultados e manter a criatividade entre os envolvidos.

Chefes, gerentes, desenvolvedores, auxiliares, não importa o seu cargo, você comete erros, você precisa aprender mais. E no mercado competitivo que vivemos aprender algo novo sempre. Somos cobrados e cada vez mais, devemos mostrar pra que viemos.

E você? O que acha importante evitar ao trabalhar em equipe?

Você pode me xingar no Twitter: @maribalbe

O Android Market do google vai morrer??

Apesar de gostar bastante do android e derivados, existe uma coisa que não me agrada tanto, e ela se chama “Android Market”! Eu sei que você deve estar se perguntando o motivo disso, e eu vou explicar.

O maior problema do android market ao meu ver é a falta de critérios de qualidade para as aplicações serem aceitos no market ( e até faz um pouco de sentido uma vez que o android market precisava crescer rapidamente em número de aplicações para poder competir com a AppStore da Apple ). É aí onde mora o maior problema, o android market estava muito preocupado com a quantidade de aplicações, mas aparentemente não tão preocupado com a qualidade, o que consequentemente gera centenas e centenas de atualizações com simples correções (quem aqui não passou pela situação de que quase todas as vezes que você entra no market existem algumas aplicações para fazer atualização??)

E ainda existe um outro fator complicador, que é inerente a natureza do android, existem diversos modelos de hardware, logo temos diferentes resoluções, densidade de tela, tamanhos de tela, etc… Então imagine você pagar por um aplicativo no android market que não vai ficar legal no seu celular? Eventualmente isso vai acontecer, ficar cortado, ou qualquer coisa do tipo.

Ok, então a guerra é entre o Android e a Apple certo? Errado, ainda existe espaço para outros combatentes nessa guerra, e um competidor de peso recentemente se alistou para essa guerra, mas promete! Eis que temos a AMAZON AppStore nesta guerra agora!

Vamos esperar mais para ver o que vai acontecer, mas espero que a Amazon não caia nos mesmos problemas do android market. De cara, ela já tem um apelo muito bom, todos os dias, uma aplicação que é paga, é disponibilizada gratuitamente (tenha certeza que isso chama os usuários, eu mesmo só instalei a amazon appstore por este motivo).

Incertezas a parte, temos mais um player de peso brigando por espaço no mundo dos markets mobile! Tudo bem que por enquanto a amazon só tem uma appstore, mas o que poderá ter no futuro do android? celulares? tablets? Será que o android market vai morrer?

Empreendedorismo Iterativo e Incremental

Como já disse aqui no BdB anteriormente, é preciso romper com a cultura que somos ensinados a sermos empregados, e seguir em uma direção onde podemos criar produtos/oportunidades.

Algumas coisas me inspiram nessa direção, como a série posts de @luizborba sobre como criar uma startup (já sairam 4 capítulos, aqui estão os links #1 #2 #3 #4), e sugiro vocês lerem para também se inspirarem nessa cultura de startup.

Além desses links do blog de borba, sugiro FORTEMENTE a leitura dos seguinte posts: You’re a developer, so why do you work for someone else? e também The importance of sideprojects.

Dito isto, vamos entrar nos detalhes do post, que é uma narrativa dos meus primeiros passos nessa caminhada do empreendedorismo.

No início, eu martelei muito na tecla de ter uma idéia, mas aparentemente todas as boas idéias já tinham sido tomadas (aparentemente até as más idéias também :P), então gastei muito tempo prestando atenção e pensando em coisas que poderiam resultar em algum produto que não fosse tão complexo e nem tão demorado (de forma que fosse uma ótima escolha para o início dessa jornada).

Não demorou muito e a idéia apareceu! A idéia era um site onde as pessoas pudessem criar uma lista das 3 melhores coisas sobre qualquer assunto (algo como um TOP3 genérico o suficiente a ponto do usuário poder criar um TOP3 sobre qualquer assunto que vier a sua mente). A idéia era que uma vez criado o TOP3 as pessoas pudessem divulgar e discutir aquele TOP3.

Diante dessa dessa idéia (e da realidade onde eu teria 3 dias pra implementar essa idéia) listei algumas coisas que precisavam ser feitas, e aqui estão elas:

  • Login Integrado com Facebook (definitivamente a integração com redes sociais dão um potencial viral ao produto, além de poupar um tempo preenchendo formulário de cadastro [que é um saco])
  • Formulário para Criar Top3
  • Ter comentários integrados com o facebook também
  • Ter um Trending List dos Top3 mais comentados até o momento.
  • Ter uma página do usuário onde as pessoas visualizassem seus Top3’s.
  • Utilizar uma tecnologia de base NOSQL (para melhorar o desempenho e de quebra para que eu aprendesse)
Essa era a minha idéia, era tudo que eu conseguia imaginar no momento e na minha cabeça estava muito bom para um MVP (Minimum Viable Product). O resultado foi bom ao meu ver, consegui implementar o que eu queria e depois dos 3 dias a ferramenta foi publicada, e para acabar o mistério para quem não conhecia o nome do produto é myTop3 e a url é: http://mytop3.me.
Não precisou de nem 3 dias no ar para os Early Adopters (na maioria conhecidos meus e pessoas que eu conseguia alcançar através das redes sociais facebook/twitter/buzz) apontarem funcionalidades que iriam tornar a idéia mais legal. Percebam o valor disso, o máximo que eu tinha conseguido imaginar não era o ideal, e as pessoas não demoraram muito tempo pra perceber isso.
Se o site não estivesse no ar, essas sugestões nunca chegariam até mim.
Mas, sem mais delongas vamos as sugestões que as pessoas deram e que eu filtrei:
  • Seria interessante uma forma do usuário dizer se concorda ou discorda com o Top3 (que não fosse escrevendo um comentário simplesmente pra dizer “Concordo”)
  • Seria interessante o usuário poder deixar o seu próprio Ranking em um Top3 criado por outro usuário (naquele mesmo assunto obviamente)
  • Já que cada um poderia deixar seu rank, seria bom ter uma versão consolidade daquele Top3 baseado nos rankings que outros usuários deixaram.
  • Já que temos a opção de concordar e discordar, seri legal ter visibilidade dos mais concordados e mais discordados.
  • Deveria ter um campo de search (essa era óbvia mas não entrou no MVP)
  • A interface do site estava horrível segundo alguns (e eu também concordo, mas minhas habilidades de engenheiro de software não me permitiram fazer melhor)
  • Deveria ter uma interface em português também.
Essas são somente as sugestões que eu filtrei para poder fazer a versão 2.0 do myTop3, mas acreditem, as sugestões foram inúmeras (inclusive já separei algumas outras  sugestões para serem feitas na versão 3.0). 
A versão 2.0 está finalizada e já está no ar, então entrem, usem, e caso queiram sugerir coisas novas ou modificações fiquem a vontade aqui nesse espaço.
Ah, quase ia esquecendo… o título do post foi “Empreendedorismo Iterativo e Incremental” pois o myTop3 é simplesmente a primeira iteração em direção ao empreendedorismo e criação novos produtos/serviços!  🙂 Para aqueles que ficaram curiosos (e não conheceram a versão 1.0) abaixo está um screenshots da versão 1.0 e também uns screenshots da 2.0 para uma breve comparação.